A ansiedade que antecede ao momento de criar

* A diminuição súbita (geral) da energia de um sistema e todas as funções que dele dependem;
* O propalado "efeito dominó" e sua condição mais extrema: o colapso;
* A debilidade repentina das ações, adinamia de ritmo, queda do poder e forças, um momento ômega.

Scribere
Faço dos sinais gráficos, que conheço, os meus representantes. Desembaraçando os caracteres, leio-os, de viva voz. Minha expressão é redigida em linhas incompletas de palavras. A composição de letras dirigidas para registrar meu sonho literário. Escrevo, porque amo.


LuhanaSP

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Múltiplos sentidos

Imagem - fonte:
http://trabalhodasamigas.blogspot.com





Ao despertar, tenha nos olhos risos,
Pois, teu nariz também sabe beijar.
A pele respira em razão do calor,
Homeostase perfeita que equilibra.
Em teus lábios a sonora sensação
É felicidade, porque meus ouvidos
Provaram palavras muito doces.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Companhia das Índias Acidentais

És cravo-da-Índia,
especiaria apreciada,
de aroma tão intenso,
que temperou a História.
Navegou alguns mares
e aportou na Bahia.
Teu precioso sabor,
o português já queria
e cultivou a terra,
seduzido pelo ouro
do estimado valor.
O teu quilo bem pesado
equivalia a sete gramas
do nobre metal amarelo.
O botão da tua flor
recendia doce perfume,
da Medicina à Gastronomia.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Asas de borboleta



O valor relativo das coisas depende dos olhos que as contemplam, por isso, não é difícil explicar por que algo tão importante, para você, sequer existe diante de um novo ponto de vista. Somos diferentes e temos percepções distintas.

O muito importante pode passar despercebido por um olhar destreinado, ou, ainda, distraído. O nada importante pode ficar guardado durante anos na sua caixa de cristal.

Há momentos em que as nossas súplicas não são ouvidas, os pedidos ignorados, as tentativas frustradas. E diante do mundo você é apenas mais um. À vista do universo, poeira cósmica, quase nada.

Tentando sensibilizar os outros, modificar padrões e encontrar razão para continuar acreditando na própria importância, as nossa vidas seguem um curso.

Continuar é preciso, viver é preciso. Seguindo passos, ou desbravando caminhos.

Eu deixei minha gaveta aberta e os meus escritos ficaram visíveis a olho nú: necessidades, vontades, intenções, sonhos, promessas, desejos, projetos... todos reunidos, expectam-me.

Qual a importância?

sábado, 18 de dezembro de 2010

Miopia

A minha pequena falha visual
Só permite detectar a nitidez
observando em curta distância
Envolve em tênue névoa
O objeto sob o foco
Que mais afastado fica
Do grande horizonte embotado
Perdendo a linha referencial
Eu fecho os olhos e enxergo

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

INFINITO PARTICULAR

video



Música: Infinito Particular
Composição: Arnaldo Antunes, Marisa Monte, Carlinhos Brown

domingo, 12 de dezembro de 2010

Intolerância, preconceito, censura e discriminação




A Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos, uma entidade sem fins lucrativos sediada virtualmente no site www.atea.org.br, criada em 2008 por Daniel Sottomaior, Alfredo Spínola e Mauricio Palazzuoli, idealizou uma campanha para defender os direitos legais de ateus e agnósticos.


A iniciativa proposta era divulgar quatro mensagens sobre o pensamento ateu, que seriam exibidas publicamente em ônibus (10 ônibus em Porto Alegre e 5 ônibus em Salvador). Esta ação foi interrompida, porque a empresa responsável pela veiculação da campanha em Salvador informou a Atea que não iria cumprir o contrato assinado com a entidade, por temer a ação do Estado e dos empresários de ônibus. A Atea recebeu a informação de que a veiculação em Porto Alegre também foi barrada.

O texto da Constituição de 1988, em seu artigo 3º, inciso IV, informa constituir objetivo fundamental da República Federativa do Brasil:


" promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação".


Vamos cumprir a lei?!

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

John Lennon

Imagine

Imagine there's no heaven
It's easy if you try
No hell below us
Above us only sky
Imagine all the people
Living for today

Imagine there's no countries
It isn't hard to do
Nothing to kill or die for
And no religion too
Imagine all the people
Living life in peace

You may say
I'm a dreamer
But I'm not the only one
I hope some day
You'll join us
And the world will be as one

Imagine no possessions
I wonder if you can
No need for greed or hunger
A brotherhood of man
Imagine all the people
Sharing all the world

You may say,
I'm a dreamer
But I'm not the only one
I hope some day
You'll join us
And the world will live as one


Toda homenagem é justa para lembrar da mensagem de paz, que alguns homens, laureados pela inspiração, deixaram-nos.
A obra do John Lennon está viva e a lembrança afetiva serve para preencher nossos corações - SAUDADE.

www.youtube.com/watch?v=2xB4dbdNSXY&feature=player_embedded

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Dicas para aproveitar o tempo


Relógio-calendário

Passam os anos e você não vê,
Euforia de quem vive o dia a dia,
Sem temer a certeza de que tudo passa.
O efêmero cometa de cauda torta,
Passou por aqui e depois sumiu,
Ricocheteou nos espaços e bateu em mim.
Diante do espelho vejo a minha mãe,
Mas, sou eu a pensar nos traços que marcam
A fugaz juventude, que ainda pretendo usar.
Não posso mais aguardar pelo dia da festa,
O café instantâneo da manhã acabou.
Eu bebi o tempo e o gosto de éter fugiu,
Do meu dia volátil, que já dura uma vida.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Letras de músicas

Depois de uma sessão de filmes (DVD), onde o controle remoto torna-se cúmplice e testemunha das pausas, avanços e flash-backs. Não consegui pensar em nada melhor, do que compor uma letra de música - digna de qualquer principiante.

Eu presto atenção aos detalhes,
Mesmo sem entender o idioma,
Eu leio as legendas,
E faço tudo isso, muito bem.

Eu quero assistir o filme,
Sem ter que repetir a mesma cena,
Duzentas milhões de vezes,
Duzentas milhões de vezes,
Procurar as falas que você perdeu.

Mesmo sem entender o idioma,
Duzentas milhões de vezes,
Eu quero assistir o filme
E presto atenção aos detalhes.

Duzentas milhões de vezes,
Eu faço tudo isso, muito bem.
Eu leio as legendas,
Procurando as falas que você perdeu.

Concurso Literário

O “I Concurso Nacional de Poesia Júlia da Costa”, uma parceria com O Instituto Superior do Paraná - ISULPAR, teve suas inscrições abertas, de 20 de julho de 2010 a 20 de novembro de 2010.

De acordo com os dados divulgados pelo blog do concurso, foram 144 inscritos de 17 estados brasileiros.
O corpo de jurados foi formado pela Profª Mestre, Vera Maria Marques Prange, membro do Centro de Letras Leôncio Correia de Paranaguá, a Profª Especialista, Ivone Elias Marques, também membro do Centro de Letras Leôncio Correia e a coordenadora do projeto, a poetisa Letticia Correia.
Para maiores informações, consultar:
concursojuliadacosta.blogspot.com

Boas iniciativas devem servir de exemplo e promover o incentivo e o apoio à poesia.

Fiquei feliz com a minha participação neste concurso, porque eu gostei muito de escrever este pequeno poético, traço patético, de uma vida que é minha. Construída e conhecida, à medida que vivo. As melhoras virão? Os arroubos, com certeza.

Meu poema concorrente:

PROBLEMA DE MEMÓRIA

Eu preciso lembrar, de nunca esquecer,
Que eu odeio brigar com você.
Mas, a fúria da amnésia provoca o desagravo,
Antigas conjecturas escorrem pelo ralo.
Desculpas amanhecidas e café amargo,
Diante das consequências, às vezes travo.
Reminiscências vagas, do motivo esmaecido,
Ressurgem nas acusações de um olhar.
E o afago demonstrado arrependido,
Perde a coragem de se humilhar.
A exposição de razões mira o alvo
E lança dardos de poder ofensivo.
Machucado tomba, quem é querido.
Dorme chorando o coração partido.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Placebo

Meus versos caem na vala,
Riscam dos olhos o lido papel,
Saem das bocas grilhadas,

Entre dentes, lêem-se palavras.
Repercutem no tempo,
Calando a sensação do tato,
Acodem, quando sinto dor.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Micropoemas & Microcontos


De uma inspiração homeopática, o fornecimento de doses extremamente pequenas pretende alcançar o método mais natural possível. O estímulo reativo em linha reta, de dentro para fora. Bem simples: é a diluição sucessiva da substância, ou potencialização da essência.

Comecei a usar a fórmula do micropoema e microconto, rendida pelo poder de síntese e "flashes" de uma idéia. A euforia, de usuária iniciante, cativou-me em vício.

Fiz algumas pesquisas, o microconto mais famoso é do escritor guatemalteco Augusto Monterroso: 'Cuando despertó, el dinosaurio todavia estaba allí'.

Julio Cortázar, teve uma iluminada inspiração e definiu: "o conto, como a foto, recorta um fragmento bem preciso e delimitado da realidade e, no entanto, deve fazer com que este fragmento tenha o poder de oferecer uma espécie de explosão que transcenda, rompa os limites da câmera, do texto."

Essa abertura, que sempre buscamos, da sensibilidade e inteligência para além do episódio narrado literariamente, evoluí na forma e no ritmo. Aspiramos.

Contos e poemas extremamente curtos, testam a habilidade de delimitação. O exercício de dobrar um pequeno regalo e transformá-lo em pílula, para que ele possa ser consumido (ou consulido).

Por ocasião da Fliporto 2010 - Festa Literária Internacional de Pernambuco, inscrevi meus micropoemas no prêmio TOC 140 (poesia no twitter). Ei-los:

Peguei meu coração!/Pinçando um sentimento estranho/Seria o amor?/Acordei pulsando.

Feliz Aniversário/Começa mais um ano/São braçadas no aquário?/Ou, enfrentar o oceano?

TOC, TOC,TOC/Transtorno obsessivo compulsivo/Quero ver o mundo com os teus olhos/Troca de óculos comigo?
* Este merece uma menção especial, porque foi o quinto colocado (entre os dez selecionados para a final) e recebeu 53.439 votos. Obrigada!
Uma gota mergulhou no mar/Perdeu-se na plenitude do oceano/Era a gota que faltava/Maré alta.

Um aceno e adeus/A infância é Sol poente/Lembro dos amigos meus/férias de antigamente.

Crianças, libertem os animais/A macaca está cansada/Deixem-na em paz/Sofrimento não é circo/Contem aos seus pais.

Brutalidade cruel/Indigência real/Homem animal/Realidade brutal/Crueldade animal/Homem indigente.

Uma gota de saliva/Teste de DNA/Tu és filho de Deus/Tua lábia é Divina.

Bagunça completa/De tudo/Me perco/Me acho/Inseguro.

Achado não é perdido/Guardado e esquecido/Teu coração mofado/Eu mereci partido.

Sinto-me como a luz de uma vela/Acesa começa a morrer/Chama, grita, clama e berra/Sonhando ascender.

www.fliporto.net/premiotoc140.html

sábado, 20 de novembro de 2010

Machado me abriu os olhos

"Eu gosto de catar o mínimo e o escondido. Onde ninguém mete o nariz, aí entra o meu, com a curiosidade estreita e aguda que descobre o encoberto."

Machado de Assis, "A semana", Gazeta de Notícias, 11/11/1900.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Lua bonita

Foto: Danilo A Freitas

A lua é nosso satélite natural, mas, nas noites de enluarada inspiração, somos nós que orbitamos no seu mistério.


Lua bonita,
Se tu não fosses casada
Eu preparava uma escada
Pra ir no céu te buscar
Se tu colasse teu frio com meu calor
Eu pedia ao nosso senhor
Pra contigo me casar
Lua bonita
Me faz aborrecimento
Ver São Jorge no jumento
Pisando no teu clarão
Pra que cassaste com um homem tão sisudo
Que come dorme faz tudo, dentro do seu coração?
Lua Bonita, Meu São Jorge é teu senhor,
E é por isso que ele vive pisando teu esplendor
Lua Bonita se tu ouvisses meus conselhos
Vai ouvir pois sou alheio,
Quem te fala é meu amor
Deixa São Jorge no seu jubaio amuntado
E vem cá para o meu lado
Pra gente viver sem dor.

Lua Bonita - Raul Seixas
Composição: Zé do Norte / Zé Martins

domingo, 7 de novembro de 2010

Your song

A língua pátria é a referência mais marcante da identidade cultural, "a expressão da consciência de uma coletividade". Por isso, a evidência da linguagem, está diretamente ligada a estrutura da sociedade a que integra.

O nosso idioma tem veleidades que passam despercebidas, capazes de alterar significativamente o objetivo de uma mensagem.

A forma de transmitir um sentimento depende da língua para atingir os outros sentidos. Na contribuição imortal de Fernando Pessoa: “A minha pátria é a língua portuguesa.”

Não raro, utilizamos da tradução e versão de músicas, poemas, peças e demais textos para captar os diversos sentimentos - universais em todas as línguas - em suas nuances próprias.

O verdadeiro objetivo é a comunicação. Comunicar um sentimento é, antes de tudo, o pulsar de um coração, ou vários, ou muitos. Mas, o efeito uníssono tem uma complexidade adicional: o pleno domínio da língua.

Sejamos mais tolerantes com as versões que povoam o inconsciente coletivo, para a polinização do entendimento. Popularizar, em última análise é compartilhar.

...

Version in Portuguese:

Eu queria te dar o céu e o mar,

Mas como eu não posso,

Só posso dar, algo tão simples

E que eu fiz para você.

Eis, seu presente é esta canção,

Feita para tocar o seu coração.

Não vale chorar,

Não vale chorar, quando você me ouvir,

Fiz tudo isso para você sorrir.

...
Your song
Elton John / Bernie Taupin

It's a little bit funny this feeling inside

I'm not one of those who can easily hide

I don't have much money but boy if I did

I'd buy a big house where we both could live

If I was a sculptor, but then again, no

Or a man who makes potions in a travelling show

I know it's not much but it's the best I can do

My gift is my song and this one's for you

And you can tell everybody this is your song

It may be quite simple but now that it's done

I hope you don't mind

I hope you don't mind that I put down in words

How wonderful life is while you're in the world

sábado, 6 de novembro de 2010

Momento biográfico

As definições me assaltam com a urgência da juventude. Entretanto, já considero, no ciclo das estações etárias, é-me chegado o outono. Posto que a transição do verão para o inverno, se faz sentir.

Passo a escrever mais, buscando a plenitude das palavras e o aconchego aveludado da cognição.

Vivo o momento das aspirações artísticas e proclamo, dentro de mim, a liberdade da minha expressão.

Internauta principiante; blogueira entusiasta; e escritora amadora, empírica e artesanal.

O amadorismo de quem ama e adora este laborátorio de idéias frenéticas, instantâneas, como Nissin Miojo - as sinapses, que não me deixam engordar.

domingo, 31 de outubro de 2010

Resultado das eleições 2010

















Quem é o novo presidente do Brasil?

Submeto-me a esta decisão, pois não quero perder o direito de ser POVO
.


A apuração dos votos em todo o território nacional, define o seguinte resultado: a democracia é uma das maiores conquistas dos processos políticos. Sem democracia não há nação, soberania, nem povo.

O povo é o elemento humano na formação do Estado e a democracia é a forma mais eficiente de humanizar um país.

Hoje, foram espalhados depósitos de esperança por todo o Brasil, para guardar, por algumas horas, a sua vontade e as muitas vontades que coexistem.

Quando você aperta o botão verde e confirma, o FIM é o prenúncio: você começou a decidir o futuro do seu país.

O voto é a sua voz, um direito inalienável.

Este momento não foi concedido de "mãos beijadas", ele foi conquistado com muita luta. Por isso, lembre-se que a maior obrigação é com a defesa dos direitos de uma sociedade mais livre e mais justa.

"Paz sem voz, não é paz. É medo."

sábado, 30 de outubro de 2010

Ampulheta

Quando reviramos o nosso baú de memórias, reencontramo-nos.

Uma orquestração sinestésica produzida pelas mais variadas lembranças, guardadas ou expostas, permanentemente, pelo "eu".

A sensação que emerge de uma percepção antiga, vinda de um lugar revisitado por estímulos juvenis.

Todas as épocas da mesma vida colocadas lado a lado.

Imagens descoloridas pela imprecisão; áudios distorcidos pelo esquecimento; diálogos incompletos; fragmentos... de cartas, poemas e fotos.

Slides de você que são projetados através do tempo e repercutem nas promessas do futuro.

Erros e acertos são motes da experiência!

A saudade é uma caixa onde guardamos os souvenirs da existência e compêndios de lembranças. Sentir saudade é ter memória afetiva.

domingo, 24 de outubro de 2010

A arte repudia a guerra


Guernica de Pablo Picasso

Na guerra os opositores serão chamados de inimigos, numa tentativa de justificar atos de intolerância, afrontando a razão e tudo aquilo que acreditamos ser atributos da humanidade.

Uma luta sectária que nos divide em nações, bandeiras, territórios, etnias, ideologias e religiões, contrariando a nossa essência e ultrajando a nossa história.

A "baixa" de pessoas é relativizada e inerente ao processo, um pressuposto para conduzir um exército em campanha.

O preço que se paga pelo combate ao "mal maior" é financiado por interesses econômicos e lavado com o sangue de desconhecidos.

Combatentes que executam ordens superiores, designados a marchar sobre os corpos daqueles que um dia tiveram esperança, família, sonhos e uma vida. Pessoas iguais, com os mesmos direitos.

A irreflexão armada semeia fome, doença e desolação.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos, assinada em 1948, deveria ter um novo preâmbulo: a partir de hoje, não será mais aceita qualquer declaração de guerra e as nações serão unidas.

Descobri a minha vocação pacifista.

...

Mahatma Gandhi quis nos mostrar que a paz é o verdadeiro motivo para condecorações.

"Acredito na essencial unidade do homem, e portanto na unidade de todo o que vive. Desse modo, se um homem progredir espiritualmente, o mundo inteiro progride com ele, e se um homem cai, o mundo inteiro cai em igual medida."


...

A Assembléia Geral proclama a presente Declaração Universal dos Direitos Humanos

como o ideal comum a ser atingido por todos os povos e todas as nações, com o objetivo de que cada indivíduo e cada órgão da sociedade, tendo sempre em mente esta Declaração, se esforce, através do ensino e da educação, por promover o respeito a esses direitos e liberdades, e, pela adoção de medidas progressivas de caráter nacional e internacional, por assegurar o seu reconhecimento e a sua observância universal e efetiva, tanto entre os povos dos próprios Estados-Membros, quanto entre os povos dos territórios sob sua jurisdição.

Artigo I.
Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade.

sábado, 23 de outubro de 2010

Discurso caótico da confusão mental

O cúmulo do desnecessário
A dois passos da incompreensão
Deixa perplexo o adversário
Que não esboça reação
Uma metralhadora de impropérios
Dispara em ritmo frenético
Na exposição de seus critérios
Elo perdido entre o prolixo e o disléxico
Subverte uma lógica racional
Forçosamente esmaga o nexo
Num delírio criativo e natural
Atinge um resultado complexo
Achar que isso é normal

Esse poema foi inspirado naquelas pessoas que "falam demais por não ter nada a dizer" e tentam convencer o mundo de que complicando bastante os caminhos entre o pensamento e a palavra, poderão ser vistas como complexas e interessantes.

Discursar em tempo integral pode tornar-se monótono, aqui ou alhures. Dizer simplesmente "oi", pode ser um bom começo.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Reciclado

A inspiração é papel amassado
Levado pelo vento
No balé da tempestade
Arremessado em ato improvisado
Por uma fração de momento
Choca-se com a realidade
E é achado no chão
Contemplou antigos vícios
Das palavras escondidas
Aprisionadas na razão
Uma inversão de princípios
Muitas lembranças perdidas
Sentiu o sopro da esperança
Retornaria à antiga forma
Um papel de embrulhar pão
Poderia compor os sonhos
De quem não escreveu em vão.

sábado, 2 de outubro de 2010

Uma vida a menos

Uma antiga lenda popularizou que os gatos possuem sete vidas. Uma fama que deve ser consequência dos seus admiráveis feitos, pois, nossos amigos felinos exercitam a agilidade com maestria e sempre caem de pé.
Tantas vidas têm um significado místico em diversas culturas e religiões. Desde o Antigo Egito os bichanos vivem envoltos em uma aura de mistério.
Na cabala, o sete é um dos algarismos de maior potência mágica, representa a vida e a abundância.

Nós humanos temos apenas uma vida e vivê-la é um desafio grandioso em todos os seus movimentos. Não podemos subestimar a simples atitude de atravessar a rua, pois em todas as direções existem riscos.
Aos que decidiram, e decidem, todos os dias, ter longevidade e qualidade de vida, é imperioso manter a clareza na análise das situações (até as mais corriqueiras) para decidir o que é mais importante.

A auto-preservação requer o equilíbrio entre a ansiedade e a prudência. Para não perder um segundo, não devemos, jamais, arriscar a própria vida...

No momento em que a vida passa por um fio é mais sábio reconsiderar e utilizar a faixa de pedestres.
(Ufa! Foi por pouco)

domingo, 26 de setembro de 2010

A visita da alegria

Recepcionar os amigos e parentes em casa é um grande prazer, ter a companhia de pessoas queridas nos traz a sensação de aconchego. É como voltar para a infância durante as férias - tudo é motivo para fazer festa.
Compartilhar um pouco da (sua) vida é uma maneira de ganhar ânimo, porque a intenção de mostrar-se bem, em harmonia com o cotidiano, dividindo o lado bom das coisas é estimulante.

Algumas visitas são tão especiais que conseguem amenizar a rotina de uma semana cheia de trabalho, com a convivência animada e a troca de boas idéias.
Tornam-se as protagonistas dos momentos de descontração, preenchendo as verdadeiras horas úteis (de descanso e ócio criativo), com música e violão.

Renovam-se as energias, tenho que reconhecer: recebi a visita da alegria.

...

“Quero um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão, que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades, às pessoas.

Que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim… e que valeu a pena !!!”

Mário Quintana

domingo, 19 de setembro de 2010

"Crença é aquilo que professamos acreditar; é o contéudo doutrinário peculiar à nossa facção religiosa, expresso com palavras muito bem escolhidas em nossas declarações de fé".

Quando o GPS existencial é acionado, procura uma pista da nossa localização no universo e tenta estabelecer pontos referenciais.

Qual a importância e o sentido das coisas? E qual a nossa importância neste sistema, que parece se mover sozinho?

Manter a convicção em uma verdade que não poderá ser posta à prova, pela absoluta confiança e abnegação: futuro, morte e Deus. Ter esperança em dias melhores e fé na recompensa justa, por sua conduta na vida.

...

Amarra o Teu Arado a uma Estrela
Composição: Gilberto Gil

Se os frutos produzidos pela terra
Ainda não são
Tão doces e polpudos quanto as peras
Da tua ilusão
Amarra o teu arado a uma estrela
E os tempos darão
Safras e safras de sonhos
Quilos e quilos de amor
Noutros planetas risonhos
Outras espécies de dor

Se os campos cultivados neste mundo
São duros demais
E os solos assolados pela guerra
Não produzem a paz
Amarra o teu arado a uma estrela
E aí tu serás
O lavrador louco dos astros
O camponês solto nos céus
E quanto mais longe da terra
Tanto mais longe de Deus

sábado, 18 de setembro de 2010

Palavras


Eu procuro as palavras até o propício encontro, busco a intimidade com elas.
Quero tê-las à mão e poder usá-las no momento exato, quando a solicitação do pensamento parece urgente.
Decifrando lógicas e metaforizando sentimentos, porque toda demonstração se abrilhanta quando faz-se mágica.
O encantamento produz seguidores apaixonados, enquanto o entendimento concretiza a ponte entre a idéia e o nexo. Somá-los é transpor as fronteiras do falar e do escrever.

...

Palavras, palavras, palavras
Eu já não aguento mais

Palavras, palavras, palavras
Você só fala, promete e nada faz

Palavras, palavras, palavras
Desde quando sorrir é ser feliz?

Cantar nunca foi só de alegria
Com tempo ruim
Todo mundo também dá bom dia!

Cantar nunca foi só de alegria
Com tempo ruim
todo mundo também dá bom dia!

(Gonzaguinha)

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Poetizar

Para extrapolar o uso da norma e liberalidades consentidas, a linguagem humana passa a ser a "linguagem poética".
É quando a imaginação entra em contato com os teus sentimentos e uma onda de perguntas te invade. E, de repente, inunda... transborda! O lúdico quebra na praia e a espuma da inspiração transforma o mundo.

A arte poeta-poema constrói o mito da beleza sob um olhar. Por isso, onde há vida, há poesia!

...

Tenho tanto sentimento
Que é freqüente persuadir-me
De que sou sentimental,
Mas reconheço, ao medir-me,
Que tudo isso é pensamento,
Que não senti afinal.
Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada.
Qual porém é a verdadeira
E qual errada, ninguém
Nos saberá explicar;
E vivemos de maneira
Que a vida que a gente tem
É a que tem que pensar.

(Fernando Pessoa)

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

(DES)ESPERO

"No desespero e no perigo, as pessoas aprendem a acreditar no milagre. De outra forma não sobreviveriam." (Erich-Maria Remarque)

"Dos escombros de nosso desespero construímos nosso caráter."
(Ralph Waldo Emerson)

"Aquilo a que chamamos o nosso desespero é frequentemente a dolorosa avidez de uma esperança insatisfeita." (George Eliot)


"Não existe maior loucura no mundo do que um homem desesperado." (Miguel de Cervantes)

"A esperança seria a maior das forças humanas, se não existisse o desespero." (Victor Hugo)

"O desespero é o suicídio do coração."
(Jean-Paul Sartre)

O que dizer diante do desespero?
É preciso não abandonar o barco da consciência à deriva, pois um naufrágio iminente pode tornar-se irreversível. Manter-se no controle dos próprios pensamentos é fundamental para iniciar o processo de equilíbrio.

Quando o problema se apresenta:
Não ignore-o. O simples fato de não pensar nele, não produzirá uma solução ou alteração da situação real.
Encontre-o, olhe-o detidamente, examine-o e a partir daí, procure soluções práticas e aplicáveis ao momento vivido.
E se não funcionar?
Continue tentando. A vida é a arte do improviso, ninguém pode afirmar o que nos reserva o dia seguinte.

O Sol nasce todos os dias, até mesmo quando chove.

domingo, 22 de agosto de 2010

Coisas para fazer em um dia de chuva

Mudei de idéia: Praia, hoje, não.

Tem dias que a gente se sente
Um pouco, talvez, menos gente
Um dia daqueles sem graça
De chuva cair na vidraça
Um dia qualquer sem pensar
Sentindo o futuro no ar
O ar, carregado sutil
Um dia de maio ou abril
Sem qualquer amigo do lado
Sozinho em silêncio calado
Com uma pergunta na alma
Por que nessa tarde tão calma
O tempo parece parado?
(As Professias - Raul Seixas)

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Mega superlativo

Astrônomos anunciaram a descoberta da "maior estrela do Universo", conhecida por nós, pelo menos, até hoje. Esta estrela é dez milhões de vezes mais brilhante que o nosso Sol.

A pesquisa publicada revela que foram encontradas várias estrelas com temperaturas superficiais de mais de 40.000 graus Celsius, portanto, mais de sete vezes superior à temperatura do "rei" Sol (nosso velho conhecido). Comparando-as com outros modelos estelares, concluiu-se que várias destas estrelas nasceram com massas superiores a 150 massas solares.

Paul Crowther, da Universidade de Sheffield (Inglaterra), chefiou a equipe de descobridores cientistas e comemorou este recorde.
Cristóvão Colombo, que também se deixou guiar pelas estrelas, ficaria muitíssimo orgulhoso dele.

O título de "maior estrela do Universo" foi conferido à estrela da festa. R136a1 - é o nome dela - encontrada no enxame R136, é a estrela de maior massa conhecida até agora, com uma massa atual de cerca de 265 massas solares e com uma massa de 320 vezes a massa do Sol na época do seu nascimento.

...

"Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso"! E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto...

E conversamos toda a noite, enquanto
A via láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora! "Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?"

E eu vos direi: "Amai para entendê-las:
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas".

Quando o Olavo Bilac criou esta poesia, ele só estava pensando na Via Láctea - que inspira o seu título.

Ah, as estrelas!

domingo, 18 de julho de 2010

Promessas do cotidiano

A letra da música "Vamos Viver" do Hebert Vianna é uma inspiração ainda não concretizada em mim. A memória de uma fase cheia de promessa e expectativa, faz gritar a adolescente que dormita em algum lugar (não mais presente).

Acabo de esbarrar na nostalgia!

Vamos consertar o mundo
Vamos começar lavando os pratos
Nos ajudar uns aos outros
Me deixe amarrar os seus sapatos
Vamos acabar com a dor
E arrumar os discos numa prateleira
Vamos viver só de amor
Que o aluguel venceu na terça-feira

O sonho agora é real
E a chuva cai por uma fresta no telhado
Por onde também passa o sol
Hoje é dia de supermercado

Vamos viver só de amor

E não ter que pensar, pensar
No que está faltando, no que sobra
Nunca mais ter que lembrar, lembrar
De pôr travas e trancas nas portas

terça-feira, 29 de junho de 2010

Protocolo de intenções

A base de uma ação recíproca se concretiza pela troca, mas, em uma fase tão embrionária, não acredito que estes pequenos textos possam provocar reações e encontrar destinatários interessados em suprir ou suceder impressões.

Não tenho a pretensão de produzir respostas, nem direcionar perguntas. Trata-se de uma singela experimentação e exercício de retórica.

Tudo bem, não teremos aqui sistemas complementares de agentes (emissor e receptor). Quando os nossos posicionamentos e objetivos se mostrarem incompatíveis, tenho um acordo a propôr: sejamos favoráveis à ruptura e independentes para prosseguir.

A escolha das palavras é um desafio fascinante para mim, aceito para divertir-me.

Ok, vamos lá! Usarei como escudo a licença poética e peço-lhes julgo leve (rsrsrs).

sábado, 26 de junho de 2010

O início e(é) o fim

A solidão da poeira cósmica precipita a união. Parece uma frase sem sentido e será, por pouco tempo. Aliás, o tempo é o "senhor" do sentido das coisas e faz revelar as estrelas.

Estrelas que se formam a partir da fragmentação, seguida da condensação de nuvens de poeira e gás. Quando esta nuvem proto-estelar se contrai, por influência de sua própria gravitação, a temperatura aumenta porque há liberação de energia. Contração e liberação, um binômio quase intrigante.

O grande aumento da temperatura possibilta a fusão dos núcleos de Hidrogênio e converte-os em Hélio, gerando energia suficiente para alimentar a vida de uma estrela. Ela fica estável e encontra seu equilíbrio gravitacional.

Uma estrela nasce para iluminar, é a sua função/missão, e mesmo quando nos deixa, não é por completo.
A luz, emitida por ela, se propaga a partir do ponto de emissão para além. E continua conosco.

Até mesmo o Sol, quando não conseguir mais queimar Hidrogênio, e, não for capaz de produzir tanta energia quanto antes, não conseguirá novamente sustentar a queda. Ele voltará a cair sobre ele mesmo, da mesma forma que aconteceu quando ele nasceu.

Um dia, alguém, cuja obra eu admiro (Raul Seixas), disse:

Eu sou a luz das estrelas/Eu sou a cor do luar /Eu sou as coisas da vida
Eu sou o medo de amar

Eu sou o medo do fraco /A força da imaginação /O blefe do jogador
Eu sou, eu fui, eu vou
...
Eu sou o início, o fim e o meio.