A ansiedade que antecede ao momento de criar

* A diminuição súbita (geral) da energia de um sistema e todas as funções que dele dependem;
* O propalado "efeito dominó" e sua condição mais extrema: o colapso;
* A debilidade repentina das ações, adinamia de ritmo, queda do poder e forças, um momento ômega.

Scribere
Faço dos sinais gráficos, que conheço, os meus representantes. Desembaraçando os caracteres, leio-os, de viva voz. Minha expressão é redigida em linhas incompletas de palavras. A composição de letras dirigidas para registrar meu sonho literário. Escrevo, porque amo.


LuhanaSP

terça-feira, 29 de junho de 2010

Protocolo de intenções

A base de uma ação recíproca se concretiza pela troca, mas, em uma fase tão embrionária, não acredito que estes pequenos textos possam provocar reações e encontrar destinatários interessados em suprir ou suceder impressões.

Não tenho a pretensão de produzir respostas, nem direcionar perguntas. Trata-se de uma singela experimentação e exercício de retórica.

Tudo bem, não teremos aqui sistemas complementares de agentes (emissor e receptor). Quando os nossos posicionamentos e objetivos se mostrarem incompatíveis, tenho um acordo a propôr: sejamos favoráveis à ruptura e independentes para prosseguir.

A escolha das palavras é um desafio fascinante para mim, aceito para divertir-me.

Ok, vamos lá! Usarei como escudo a licença poética e peço-lhes julgo leve (rsrsrs).

sábado, 26 de junho de 2010

O início e(é) o fim

A solidão da poeira cósmica precipita a união. Parece uma frase sem sentido e será, por pouco tempo. Aliás, o tempo é o "senhor" do sentido das coisas e faz revelar as estrelas.

Estrelas que se formam a partir da fragmentação, seguida da condensação de nuvens de poeira e gás. Quando esta nuvem proto-estelar se contrai, por influência de sua própria gravitação, a temperatura aumenta porque há liberação de energia. Contração e liberação, um binômio quase intrigante.

O grande aumento da temperatura possibilta a fusão dos núcleos de Hidrogênio e converte-os em Hélio, gerando energia suficiente para alimentar a vida de uma estrela. Ela fica estável e encontra seu equilíbrio gravitacional.

Uma estrela nasce para iluminar, é a sua função/missão, e mesmo quando nos deixa, não é por completo.
A luz, emitida por ela, se propaga a partir do ponto de emissão para além. E continua conosco.

Até mesmo o Sol, quando não conseguir mais queimar Hidrogênio, e, não for capaz de produzir tanta energia quanto antes, não conseguirá novamente sustentar a queda. Ele voltará a cair sobre ele mesmo, da mesma forma que aconteceu quando ele nasceu.

Um dia, alguém, cuja obra eu admiro (Raul Seixas), disse:

Eu sou a luz das estrelas/Eu sou a cor do luar /Eu sou as coisas da vida
Eu sou o medo de amar

Eu sou o medo do fraco /A força da imaginação /O blefe do jogador
Eu sou, eu fui, eu vou
...
Eu sou o início, o fim e o meio.