A ansiedade que antecede ao momento de criar

* A diminuição súbita (geral) da energia de um sistema e todas as funções que dele dependem;
* O propalado "efeito dominó" e sua condição mais extrema: o colapso;
* A debilidade repentina das ações, adinamia de ritmo, queda do poder e forças, um momento ômega.

Scribere
Faço dos sinais gráficos, que conheço, os meus representantes. Desembaraçando os caracteres, leio-os, de viva voz. Minha expressão é redigida em linhas incompletas de palavras. A composição de letras dirigidas para registrar meu sonho literário. Escrevo, porque amo.


LuhanaSP

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Concurso Literário

O “I Concurso Nacional de Poesia Júlia da Costa”, uma parceria com O Instituto Superior do Paraná - ISULPAR, teve suas inscrições abertas, de 20 de julho de 2010 a 20 de novembro de 2010.

De acordo com os dados divulgados pelo blog do concurso, foram 144 inscritos de 17 estados brasileiros.
O corpo de jurados foi formado pela Profª Mestre, Vera Maria Marques Prange, membro do Centro de Letras Leôncio Correia de Paranaguá, a Profª Especialista, Ivone Elias Marques, também membro do Centro de Letras Leôncio Correia e a coordenadora do projeto, a poetisa Letticia Correia.
Para maiores informações, consultar:
concursojuliadacosta.blogspot.com

Boas iniciativas devem servir de exemplo e promover o incentivo e o apoio à poesia.

Fiquei feliz com a minha participação neste concurso, porque eu gostei muito de escrever este pequeno poético, traço patético, de uma vida que é minha. Construída e conhecida, à medida que vivo. As melhoras virão? Os arroubos, com certeza.

Meu poema concorrente:

PROBLEMA DE MEMÓRIA

Eu preciso lembrar, de nunca esquecer,
Que eu odeio brigar com você.
Mas, a fúria da amnésia provoca o desagravo,
Antigas conjecturas escorrem pelo ralo.
Desculpas amanhecidas e café amargo,
Diante das consequências, às vezes travo.
Reminiscências vagas, do motivo esmaecido,
Ressurgem nas acusações de um olhar.
E o afago demonstrado arrependido,
Perde a coragem de se humilhar.
A exposição de razões mira o alvo
E lança dardos de poder ofensivo.
Machucado tomba, quem é querido.
Dorme chorando o coração partido.

Um comentário:

  1. Oi Luhana!

    Muito profundo o teu poema. Tua mente é rica e brilha para os olhos que sabem ler.

    Um beijão do Marcelo @EuHoje!

    ResponderExcluir

Aprecie sem moderação