A ansiedade que antecede ao momento de criar

* A diminuição súbita (geral) da energia de um sistema e todas as funções que dele dependem;
* O propalado "efeito dominó" e sua condição mais extrema: o colapso;
* A debilidade repentina das ações, adinamia de ritmo, queda do poder e forças, um momento ômega.

Scribere
Faço dos sinais gráficos, que conheço, os meus representantes. Desembaraçando os caracteres, leio-os, de viva voz. Minha expressão é redigida em linhas incompletas de palavras. A composição de letras dirigidas para registrar meu sonho literário. Escrevo, porque amo.


LuhanaSP

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Astrologia - não existe novo signo

A astrologia não é ciência, mas pretende predizer o futuro por meio da leitura dos astros. Faz medições subjetivas e estabelece um padrão de influência entre os comportamentos humanos e fenômenos da natureza, consequentes da movimentação dos astros.

"Cada um no seu quadrado". Por que o astrônomo norte americano, Parke Kundle, tenta difundir a idéia de que os signos do Zodíaco, estabelecidos desde a Antiguidade, não estão classificados corretamente? Pior, defende uma nova organização dos signos, alegando a interferência de uma 13º constelação. Talvez, ele seja o Mário Jorge Lobo Zagallo da Astronomia - isso explicaria tudo - a tese fundamentar-se-ia na obsessão pelo número "13".

O artigo publicado no jornal "Minneapolis Star Tribune", diz que os antigos astrônomos da Babilônia determinaram os signos astrológicos pela posição do Sol em relação a uma determinada constelação no dia do nascimento do indivíduo. Tal aconteceu há mais de dois mil anos, e que a força gravitacional da Lua, observado o decurso de tempo, fez a Terra oscilar no seu eixo, criando um salto de um mês no alinhamento das estrelas. Pode? Além disso, afirmou existir um 13º signo, entre Escorpião e Sagitário, fazendo referência à constelação Ophiuchus.

Eu fico com a pureza da resposta dos antigos babilônicos: são 12 signos! Afinal, eles sabiam desta constelação e codificaram a astrologia, tal qual conhecemos (Ok, não conhecemos. Mas, sabemos a correspondência entre o nosso aniversário e o signo equivalente... Ok, alguns sabem).

Astrologia não é para ser high-tech, é um legado da história da humanidade e está mais afeto aos significados de tradição e relíquia do que outros. Pronto, desabafei!
Sou regida pelo signo de Leão e sempre serei (pelo menos, nesta encarnação).

2 comentários:

  1. Também gostei. Não entendo de signos, sei que sou de Gêmeos e Roberto (meu marido) diz que isso é bom, pois ele é casado com várias em uma.

    ResponderExcluir

Aprecie sem moderação