A ansiedade que antecede ao momento de criar

* A diminuição súbita (geral) da energia de um sistema e todas as funções que dele dependem;
* O propalado "efeito dominó" e sua condição mais extrema: o colapso;
* A debilidade repentina das ações, adinamia de ritmo, queda do poder e forças, um momento ômega.

Scribere
Faço dos sinais gráficos, que conheço, os meus representantes. Desembaraçando os caracteres, leio-os, de viva voz. Minha expressão é redigida em linhas incompletas de palavras. A composição de letras dirigidas para registrar meu sonho literário. Escrevo, porque amo.


LuhanaSP

quinta-feira, 7 de abril de 2011

O horror




O hábito cotidiano de ligar a TV, não é tão seguro. Por mais despretensioso que pareça, não se pode ficar impassível diante de sensações e imagens imiscuídas: dor, medo, espanto, desespero, surpresa... flechadas de doloroso impacto e poder de destruição. Mas, não foram flechas. Foram balas de revólver, desferidas com grande crueldade e precisão.


O estremecimento e a agitação de pessoas correndo, querendo notícias. As angustiosas notícias transmitidas diante das câmeras, imagens sem edição, um mundo irreal, sem cortes, mas, cravejado de insegurança e desarmonia. Uma mãe que avisa ao pai sobre a morte assassina e a falta da filha.

Aversão e pavor. Como explicar um atentado tão medonho e sinistro? Não estávamos preparados para uma chacina. Não estamos preparados para padecimentos de natureza tão insuportável, ou seria o oposto? Por nos prepararmos, por conduzirmos nossas vidas e políticas ao cenário hodierno, acabamos produzindo espetáculos tão lamentáveis - barbaridade e horror.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aprecie sem moderação