A ansiedade que antecede ao momento de criar

* A diminuição súbita (geral) da energia de um sistema e todas as funções que dele dependem;
* O propalado "efeito dominó" e sua condição mais extrema: o colapso;
* A debilidade repentina das ações, adinamia de ritmo, queda do poder e forças, um momento ômega.

Scribere
Faço dos sinais gráficos, que conheço, os meus representantes. Desembaraçando os caracteres, leio-os, de viva voz. Minha expressão é redigida em linhas incompletas de palavras. A composição de letras dirigidas para registrar meu sonho literário. Escrevo, porque amo.


LuhanaSP

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Anestesia


Depois de tanto sentir, exposição máxima de sentidos, quando tudo aflora em potência e os sensores que distribuem e comunicam a essência do "seu sentir" - corpo, mente, eu-lírico e todas as variáveis existenciais concentradas em você (seu ser), a energia que alimenta e move os melhores condicionamentos, são canalizadas pela dor. Eis o processo que, para moldar, machuca além dos limites do corpo.

Sentir é uma dádiva, ou armadilha da vida. Às vezes, as duas coisas ao mesmo tempo.

Quando todos os sentidos próprios são exasperados pela dor, sua percepção, efeitos e influência: a dolorosa e impactante sensação que turva cada amanhecer.

A condição de ter a sensibilidade bloqueada ou temporariamente removida pode salvar vidas. Remover a angústia é como estancar uma hemorragia. A "ausência de consciência reversível", seja uma ausência total ou a ausência de uma parte do corpo como as causadas pela anestesia, ou bloqueio neural.




SOCORRO
Arnaldo Antunes

Socorro
Não estou sentindo nada
Nem medo, nem calor, nem fogo
Não vai dar mais pra chorar
Nem pra rir
Socorro
Alguma alma, mesmo que penada
Me empreste suas penas
Já não sinto amor, nem dor
Já não sinto nada
Socorro, alguém me dê um coração
Que esse já não bate nem apanha
Por favor!
Uma emoção pequena, qualquer coisa!
Qualquer coisa que se sinta
Tem tantos sentimentos
Deve ter algum que sirva
Qualquer coisa que se sinta
Tem tantos sentimentos
Deve ter algum que sirva
Socorro
Alguma rua que me dê sentido
Em qualquer cruzamento
Acostamento, encruzilhada
Socorro! Eu já não sinto nada
Socorro
Não estou sentindo nada (nada, nada)
Nem medo, nem calor, nem fogo
Nem vontade de chorar
Nem de rir
Socorro
Alguma alma mesmo que penada
Me empreste suas penas
Eu Já não sinto amor, nem dor
Já não sinto nada
Socorro, alguém me dê um coração
Que esse já não bate nem apanha
Por favor!
Uma emoção pequena, qualquer coisa!
Qualquer coisa que se sinta
Tem tantos sentimentos
Deve ter algum que sirva
Qualquer coisa que se sinta
Tem tantos sentimentos
Deve ter algum que sirva

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

CINZEIRO DE PAPEL

Pós
Quarta-feira
De cinzas

Poeira
Quase um vestígio
O nada
Nada tenho
Nada sou
Fica suspenso
Tempo e espaço
O carnaval
Acabou
E a desculpa
Para não seguir
Com a vida
Coisas tantas
Por fazer
O carnaval
Acabou
Cinzas expostas
Qualquer brisa
Varre longe

O nada existencial
As sombras
Das horas 
Que o tempo levou
Varreu
O carnaval
Acabou

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Muito sal e luz...

MAR E SOL
(Interpretação impecável: Gal Costa)
Um Sol
Eu sou
Para o seu mar, ó meu amor;
Você
O mar é
Para o meu Sol, para eu me pôr;
Me pôr
Em você,
Me espelhar, me espalhar;
Meu Sol
De arrebol
Deitar no leito de seu mar -
E entrar em você,
Em você queimar, arder;
Em você tremer, em você,
Em você morrer, morrer.
Um só,
Um nó
De fogo e água, terra e céu,
A sós,
Somos nós,
De corpo e alma, você e eu;
E eu
A descer,
A desnascer, desvanecer;
A ser
Em você
Um Sol a se dissolver -
Ao entrar em você,
Em você queimar, arder;
Em você tremer, em você,
Em você morrer, morrer.
Depois,
Nós dois,
Olhos nos olhos, vis-à-vis,
Nos seus
Olhos meus,
Me vejo no que vejo ali;
Ali,
Eu-você,
Olho no olho a se espelhar,
Amor,
Sem temor,
Olho o que eu olho me olhar -
Ao entrar em você,
Em você queimar, arder;
Em você tremer, em você,
Com você morrer, morrer.
Paixão de fogo de paixão
De fogo de paixão
De fogo de paixão,
Em que me afogo de paixão
Me afogo de paixão
Me afogo de paixão

domingo, 15 de fevereiro de 2015

SEGREDO

Degredo
Uma topada
Quebrei o dedo
Trombada
Primeira carona
Colisão na estrada
Traumatismo craniano
Perda total
Esfacelamento
De coração