A ansiedade que antecede ao momento de criar

* A diminuição súbita (geral) da energia de um sistema e todas as funções que dele dependem;
* O propalado "efeito dominó" e sua condição mais extrema: o colapso;
* A debilidade repentina das ações, adinamia de ritmo, queda do poder e forças, um momento ômega.

Scribere
Faço dos sinais gráficos, que conheço, os meus representantes. Desembaraçando os caracteres, leio-os, de viva voz. Minha expressão é redigida em linhas incompletas de palavras. A composição de letras dirigidas para registrar meu sonho literário. Escrevo, porque amo.


LuhanaSP

quarta-feira, 30 de março de 2016

Missa de corpo ausente

Você matou-me
E destruiu
Os meus sonhos
Futuros
Será que ainda 
Existirá futuro
Qualquer regresso
Ao passado
Imenso lapso
De memória
Encerra o processo
Você matou-me
Porque eu permiti
Meu credo
E devoção
A estranha certeza
Que a explicação
De tudo
Seria você
E por tudo
Fechei os olhos
Enxerguei apenas
Com a palma da mão
Através da leitura
Que fazia
Lia seu nome
E você
Por ironia
Estalou os dedos
Matou-me
Conspurcou o sagrado
Da minha oferenda
Uma vida inteira
Que poderia ser 
Qualquer uma
Mas era a minha
Sem referências
A subjetividade
Para o descarte
Pronta ou acabada
Você matou-me
Neste pós-mortem
Entre sensações
Da antiga vida
Amarguei lembranças
Nenhuma mentira
Muitas verdades inócuas
A vontade soberana
Fez apólices de seguro
Ode ao senso prático
Sem dar-se ao luxo
Negou-me tudo
Por asfixia matou-me 
Como solução
Dos problemas
Todos maiores
Em importância
Reduzida ao pó
Você matou-me
Nem tem vaga ideia 
Do absurdo que fez
E se um dia tiver
Por favor
Não faça de novo
Com mais ninguém
Finda a morte
Ficou para trás
O que não existe 









segunda-feira, 21 de março de 2016

diante do espelho

Quando eu pude ver
Pensei ter achado
Algo além de mim
O reflexo da esperança
Recompensa ideal
O verdadeiro
Significado de tudo
Que antes não havia
O sonho acordado
Simples assim
Desejo de criança
Meu mundo real
Bem-te-vi
Uma galáxia inteira
Inacreditável
Sem garantia nenhuma
Estranho ritual
Arranquei o coração
E dei-te
Estupidez ilimitada
Confiar no brilho
Dos olhos
Diante do espelho
Trancafiar em segredo
Uma ilusão futurista
Reclamar a posse
De uma terra distante
E ser tratada
Como mera turista
Faça uma boa viagem
O peso de nunca mais
Voltar a ser otimista
Acreditei unicamente
Com todas as forças
Em tuas verdades
E nas promessas
Colóquio flácido
Gargalhadas cortantes
Atravessam-me a alma
Achei que poderia
Superar este momento
Cada gole do ácido
Lágrima e soluço
Mata o que não sobrou
Não irei me perdoar
Por ter sido tão tola
Os tolos são patéticos