A ansiedade que antecede ao momento de criar

* A diminuição súbita (geral) da energia de um sistema e todas as funções que dele dependem;
* O propalado "efeito dominó" e sua condição mais extrema: o colapso;
* A debilidade repentina das ações, adinamia de ritmo, queda do poder e forças, um momento ômega.

Scribere
Faço dos sinais gráficos, que conheço, os meus representantes. Desembaraçando os caracteres, leio-os, de viva voz. Minha expressão é redigida em linhas incompletas de palavras. A composição de letras dirigidas para registrar meu sonho literário. Escrevo, porque amo.


LuhanaSP

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Não espere tudo, um mar de nada pode te afogar


You’re welcome!

Tudo&tudo
De nada
Adiantou
Um atraso
Sem limite
Digerindo
O fato
Tudo&tudo
Por nada
Inócuo
Nem placebo
Só um nada
Imenso
Remanescente
Arrependimento
Tristeza
Insuportável
Difícil de abolir
Tudo&tudo
Eu lamento
You're welcome!

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Imunidade

Lapso de memória
Desejo um dano
Permanente
Esquecer 
Limpar tudo
Apagar 
Para sempre
Pensamento
Livre e sem dono
Tela branca
Alívio no vazio
Eco de lembranças
Romper os abscessos
Arrancando a dor
De cada raiz
Pesadelo sem fim
A melhor vacina
Não sonhar




quinta-feira, 5 de maio de 2016

P.S.

Subestimar o instinto
É sabotagem
Suprimir a ética
É tolice
Nutrir o aniquilamento
Para que floresçam
As dádivas cordiais
Da indulgência
É também abdicar
Do amor próprio
Ter a fé semeada
Em outra mente
Ou coração
É pedir para morrer
De inanição
Transferir dons vitais
É abrir mão do real
E pisar em terreno
Movediço
A entrega pode tombar
Em cova profunda
E sentença amaldiçoada
Por inúmeros julgamentos
Crônica anunciada
O esquecimento
Rasura e expurgo total
É o mínimo aceitável
Para a solenidade
Final
Respeitosos acenos
De algum talibã






segunda-feira, 2 de maio de 2016

Cuidado com as palavras

Cola
Sem restauração
Pisei
Frágil material
Colapsei
Nota de rodapé
Que final
Tão baixo
Ínfimo
E fugaz
Não valeu
Nada
Sem chão
Tudo parece
De pernas
Para o ar
Asfixia
Inútil respirar
Cola
Pira
Morre
Um molde
Uniforme 
Desculpas sociais
Conveniências
Vinte e quatro
Horas de toxina
Que produziram
Paralisia
Petrificou
Mas não colou
Supremacia
Da facilidade
A esperança
É uma víbora
Cruel
Parece inofensiva
Verde cobra
De jardim
É a pior de todas
Aquela que se deixa
Chegar perto
Basta uma vez
Tarde demais